quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Boas Festas!


Queridos amigos,

Desejamos a todos muita paz e alegria nesta passagem de ano. E que esse espírito se perpetue durante todo o ano que vem e por nossas vidas através do contínuo esforço e dedicação em sermos pessoas melhores, seres humanos dignos e defendores do justo, do leal e da verdade.

Um grande beijo e até breve!

Equipe YellowA


terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Príncipe saudita investe 300 milhões de dólares no Twitter


Um dos homens mais ricos do mundo, o príncipe saudita Alwaleed bin Talal anunciou nesta segunda-feira que sua empresa investirá 300 milhões de dólares no Twitter.  O aporte é resultado de meses de negociação, informou um comunicado oficial da Kingdom Holding Company, uma das maiores empresas da Arábia Saudita.

A companhia de investimento costuma aplicar capital em diversas áreas, como bancos, telecomunicações, mídia, entretenimento, saúde, tecnologia, agricultura e turismo. Esta é a primeira vez, contudo, que a empresa aposta suas fichas em uma rede social.

A KHC é uma das principais acionistas do Citigroup e detém participações em outras grandes empresas de tecnologia, como Apple, News Corp, Amazon, Compaq, eBay e Motorola. "O investimento no Twitter reafirma nossa habilidade em identificar oportunidades adequadas em setores promissores e em empresas de alto crescimento e grande impacto global", disse o príncipe num comunicado.

O Twitter permite aos usuários postar mensagens de até 140 caracteres e tem sido apontado como fator influente em manifestações como as que originaram a chamada Primavera Árabe neste ano.

Fonte: Veja

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Twitter passa por reforma radical e fica mais multimídia



O Twitter vai passar pela reforma mais radical desde que foi inaugurado, há mais de cinco anos. O site, que começou tendo como foco a troca de mensagens de texto, ganha, agora, um aspecto mais multimídia, com destaque maior para fotos, vídeos e gráficos.

A nova página do usuário no Twitter traz três abas bastante evidentes na parte superior. A primeira delas, chamada Início, mostra as novidades publicadas no microblog. Ao clicar sobre um tuite, é possível ver fotos e vídeos associados a ele. A segunda aba, com o símbolo @ e a palavra Conectar, exibe as conversas nas quais o usuário aparece citado.

A terceira aba, Descobrir, com o símbolo #, substitui a atual Atividades. Ela exibe assuntos que podem interessar ao usuário, atividades de seus contatos e os trending topics. Também nesse caso, é possível expandir cada item para ver fotos e vídeos. Veja, a seguir, um vídeo que mostra a nova interface do site.

A rede social tem mais de 100 milhões de usuários que publicam mais de 200 milhões de mensagens por dia. Ela é amplamente adotada por um público específico que inclui muitos formadores de opinião. Mas o site ainda é um mundo estranho para uma parte da população. O uso de uma linguagem própria, onde comparecem símbolos como @ e #, contribui para isso.

A ideia, agora, é trabalhar com a interface gráfica com que as pessoas já estão habituadas para tornar mais clara a função desses símbolos. “Nós simplificamos o desenho do site para tornar mais fácil acompanhar o que interessa, conectar-se com outras pessoas e descobrir novidades”, diz o comunicado da empresa.

Fonte: Revista Exame

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Para onde as pessoas olham nas páginas do Facebook?



Quando você entra em uma fan page do Facebook, para que parte da página você olha primeiro? O site Mashable fez um estudo com uma câmera de rastreamento óptico, em parceria com a EyeTrackShop, para descobrir o que atrai a atenção de consumidores na hora em que eles chegam na página de alguma marca.

A pesquisa foi feita com 30 usuários que visitaram as páginas das empresas mais populares da rede, como Coca-Cola, Skittles, Victoria’s Secret, Starbucks, Converse, PlayStation, Pringles e Rede Bull. A principal descoberta? Que a maioria das pessoas olha primeiro para o mural da página e passam ali quatro vezes mais tempo do que em qualquer outro elemento da fan page. A imagem acima, por exemplo, mostram as áreas mais quentes da página da Coca-Cola.

Aquele preview das fotos postadas, que aparece logo no topo, é notado em 85% das vezes que uma pessoa entra, enquanto as colunas de “curtis”, apenas 58% das vezes.

Confira algumas das conclusões do estudo:


- Conteúdo importa: o mural continua sendo a parte em que o usuário mais passa tempo e a primeira para que ele olha. Com uma exceção: a foto da fan page da marca de lingerie Victoria’s Secret atraiu mais os olhares do usuários do que seu mural. Isso porque era estrelada por uma de suas belas modelos, que vestia apenas (pasmem!) um conjunto da marca. Quando olharam para o mural, eles passaram 25% menos tempo olhando o seu conteúdo.

- O fator humano: geralmente, fotos com rostos humanos ganham mais atenção do que as de produtos. Apenas 57% dos visitantes da página da Coca-Cola olharam para a imagem da garrafa que ocupa o canto esquerdo. Uma exceção, porém, foi da marca de doces Skittles, que atraiu 90% dos olhares.

- Imagens chamam atenção: isso não é novidade, mas é mais uma confirmação. A página com maior número de imagens no seu mural, durante o teste, a do console de videogame PlayStation, foi aquela em que os usuários passaram mais tempo. O tempo pode ser curto – apenas 4,88 segundos -, mas nenhuma outra página segurou a atenção de uma das pessoas por mais de 4 segundos.

Fonte: Pequenas Empresas Grandes Negócios

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Passageiros terão internet ilimitada nos aeroportos


Decisão entra em vigor até março; Infraero tem 20 dias para escolher operadora

Hoje restrita a apenas 15 minutos antes do embarque, a internet sem fio gratuita nos aeroportos agora vai ser ilimitada. A decisão é da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), que tem 20 dias para contratar uma ou mais empresas de telefonia que vão prestar o serviço. A estatal garante que todos estarão conectados a partir do começo do ano que vem – março é o mês limite para a medida entrar em vigor.

A decisão vai valer nos aeroportos de São Paulo (Cumbica, Congonhas, Viracopos e Campo de Marte), Rio de Janeiro (Galeão, Santos Dumont e Jacarepaguá), Belo Horizonte (Confins e Pampulha), Brasília, Manaus, Porto Alegre, Curitiba, Recife, Fortaleza, Natal, Salvador e Cuiabá. Hoje, os 15 minutos de internet gratuita são restritos apenas a Cumbica, Congonhas, Galeão e Brasília.

Uma regra imposta pela Infraero é que a internet gratuita só pode ser usada a partir do aeroporto de origem, ou seja: se uma pessoa viaja de Congonhas para Porto Alegre, por exemplo, só terá direito a usar a internet no aeroporto paulista. Na volta, se quiser, pode pagar por mais tempo de conexão.

A internet livre não vai ficar disponível no aeroporto inteiro – somente na área de embarque, depois do raio X. Para que o passageiro consiga se conectar à rede, duas alternativas estão sendo estudadas. A primeira é deixar o processo funcionando como é hoje: com o cartão de embarque na mão, o passageiro vai ao balcão de informações da Infraero e pega um cartãozinho com uma senha e um passo a passo de como se conectar.

Fonte: Veja (com Agência Estado)

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

A influência das redes sociais nas compras de final de ano



As crises econômicas que estão abatendo vários países ao redor do mundo deixaram os consumidores mais agarrados a cada centavo, pensando melhor em como gastar cada moedinha suada. Neste cenário, a esfera social tem ganhado importância cada vez maior, principalmente em épocas de vendas sazonais, como o final do ano.

Marcas e lojistas estão de olho na popularidade do Facebook para impulsionar suas vendas de Natal. Usando tecnologia de geo-localização, empresas e marcas também lançam ofertas promocionais via check-ins. Muitas empresas oferecem incentivos para aqueles que fazem check-in utilizando o Facebook ou o Foursquare, inclusive no Brasil já é possível encontrar essas ofertas.

Entretanto, a chave para construir a reputação da marca não se limita a ser capaz de convencer os consumidores a comprar seu produto, mas manter a relação para além da compra, criando relações que sejam de longo prazo.

Nisso o relacionamento através das redes sociais é fundamental. Quando procuram o apoio, os consumidores procuram o meio mais rápido através do canal de sua preferência. Então, um número cada vez maior de empresas estão oferecendo estes serviços através dos canais sociais. Auxílio através das redes sociais permite aos funcionários resolver problemas ou responder perguntas, gerando um sentimento positivo que pode inevitavelmente aumentar a percepção global da marca.

E no espírito do Natal, não há melhor momento para lançar as bases de um relacionamento, cuidando da confiança entre cliente e empresa e fidelização dos mesmos para durar todo o ano novo, não é?

Fonte: Ponto Marketing

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Google+, uma rede masculina e pouco frequentada

O Google+, rede social do Google, tem 40 milhões de perfis. Além de personalidades como o presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, e o presidente do Google, Larry Page, você sabe quem são os usuários que compõem essa rede e quanto tempo eles gastam nela? O infográfico acima responde.

Os americanos são a maioria, com 5,3 milhões usuários. O ranking segue com Índia (2,8 milhões), Reino Unido (860 mil), Canadá (850 mil), Alemanha (710 mil), Brasil (620 mil) e Taiwan (510 mi). No quesito gênero, os homens dominam: são 63%, contra 37% de mulheres.

Clique aqui para ver o infográfico maior

Embora o público do Google+ seja equivalente ao número de habitantes da Argentina, a audiência é baixa. O infográfico menciona pesquisa em que apenas 17% dos usuários foram considerados ativos. Além disso, de setembro a outubro, os visitantes únicos (visita por aparelho, excluindo celulares), caiu de 13,4 milhões para 12,3 milhões. Saiba mais no infográfico, em inglês, produzido pela Flowtown.

E você, visita o Google+ com qual frequência?

Fonte: Radar Tecnológico - Estadão

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

AdAge elege melhores campanhas nas redes sociais



Como parte de seu especial Book of Tens 2011, o Advertasing Age selecionou as 10 campanhas desenvolvidas nas mídias sociais que, na sua opinião, foram as melhores do ano. 


Entre elas, uma brasileira: a ação do Halls Uva Verde, que criou esculturas (usando a própria bala como matéria prima) de quatro fãs da bala que mais pediram a volta do produto nas redes sociais.  


Também fazem parte da lista campanhas da Volkswagen, Citroën, Intel-Toshiba e série de TV True Blood. Veja a lista completa aqui







sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

As redes sociais em favor dos negócios

Texto de Osmar Santini



Recentemente concluí meu trabalho de graduação. O estudo é sobre o uso das Redes Sociais pelas empresas, como forma de se comunicar com seu público-alvo de forma estratégica. O tema é relevância social e corporativa, pois tem mudado a maneira dos usuários da Internet se comunicar e interagir com as empresas de nosso tempo, hoje os e-mails continuam sendo usados, porém a força que as Mídias Sociais tem adqurido nesses últimos anos é impressionante, impulsionando o seu uso em favor dos negócios.


Porém, antes de utilizar as Redes Sociais para ampliar o nível de interação com os clientes é preciso tomar alguns cuidados para não empreender esforços que não surtirão efeitos, é interessante que:

- Se planeje os objetivos que a empresa que atingir - Dessa maneira fica mais fácil escolher as mídias que podem auxiliar;
-  A Administração das contas das redes sociais deve estar a cargo de um profissional - assim, a geração de conteúdo de qualidade será uma das prioridades, além de desenvolver métricas para mensurar os acessos aos perfis da empresa;
- Incluir as mídias sociais no mix de marketing da organização - essa ferramenta deve estar no plano de comunicação da empresa;

Proceder dessa forma pode fazer das redes sociais uma ferramenta de marketing menos onerosa que as opções convencionais, grandes empresas como IBM, Coca-Cola, BMW, entre outras já utilizam essas mídias como SAC, é uma nova opção para ampliar o relacionamento com o cliente, afinal as informações circulam de forma mais ágil. Especialistas destacam que estar nas mídias sociais não é um modismo, mas uma tendência e que não cabe mais à empresa estar fora desse turbilhão de informações, outro ponto que se evidencia é que não é prudente deixar essa inserção no meio eletrônico apenas à cargo de uma agência terceirizada, pois essa é uma questão de estratégia, e tratando-se disso a organização deve acompanhar todo esse processo de perto.

Portanto, não se deve encarar as redes sociais como um modismo é preciso  que essa ferramenta seja encarada como possibilidade de ampliar as estratégias de mercado, afinal o futuro das comunicação passarão pelas redes sociais.

Fonte: Administradores

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Como empresas B2B podem usar mídias sociais

Texto de Mariela Castro

Muitas empresas que fazem negócios com outras empresas – o chamado  business-to-business (B2B) — ainda hesitam em adotar as mídias sociais como parte de sua estratégia de comunicação por não conhecer ou não acreditar no potencial dessas ferramentas.A maioria pensa que mídias sociais só são úteis quando o negócio é B2C (business-to-consumer), ou seja, diretamente com o consumidor final. Se você é um dos “desconfiados”, saiba que o B2B pode se beneficiar e muito das mídias sociais.


Para isso, é preciso ter em mente quatro aspectos:


#1 O relacionamento continua sendo entre pessoas.
Seja espontâneo e humano. Embora você represente uma empresa, está também falando com uma pessoa do outro lado. É a relação pessoal de confiança que vai gerar credibilidade e regularidade nesse contato. Aproveite para fazer networking online e offline, conjugando interação nas redes sociais e em eventos presenciais. Alimente o CRM da sua empresa com esses contatos.


#2 Segmente o conteúdo para o seu público-alvo.
Como o público B2B é mais restrito, permite que você tenha mais foco na sua comunicação. Produza informação relevante, interessante e útil para esse público.


#3 Identifique os canais que seu público utiliza.
O que faz sentido na sua área de atuação? LinkedIn, blogs, fóruns, Twitter? Para cada um deles, utilize linguagem específica. Em todos esses canais, procure ouvir, participar, interagir, contribuir. E, por favor, não fique bombardeando as pessoas com propaganda do seu negócio.


#4 Dissemine seu conhecimento e competência.
No segmento business-to-business, o que conta muito é a sua expertise. Outras empresas comprarão seus produtos ou serviços porque acreditam na sua competência, o que gera credibilidade e confiança. Procure fazer isso em seus processos produtivos, mas lembre-se que a comunicação deve refletir isso em igual medida. Mantenha regularidade e coerência na sua comunicação online e offline.

Por fim, lembre-se: mídias socias não são canais de propaganda ou vendas. São plataformas de comunicação e relacionamento.

Fonte: EXAME

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Como tirar melhor proveito das redes sociais nas empresas

No mundo das redes sociais corporativa, entender quem usa e como é a chave para ampliar a adoção e o sucesso das ferramentas





A medida em que o Facebook e outras redes sociais ganham popularidade, as empresas começam a estudar formas de usar essa tendência. O resultado: uma enxurrada de companhias de software social para uso corporativo brigando por um lugar no portfólio de TI e dezenas de executivos de TI e de negócios tentando mapear o cenário e desenhar planos de longo prazo.

Novo estudo da Forrester Research mostra que essa tendência está muito incipiente. A chave para ampliar a adoção e o sucesso das novas ferramentas sociais, segundo o levantamento, está em entender quem as usa e como estão usando e que políticas as empresas precisam criar e colocar em prática para dar suporte a esse uso.

A seguir, você verá um cenário desenhado pelas principais descobertas da pesquisa da Forrester, chamado de “The Enterprise 2.0 User Profile: 2011. O estudo foi realizado a partir das respostas de quase cinco mil profissionais de TI nos Estados Unidos.


Quem usa e por que usa
Dos 4.985 profissionais de tecnologia da informação ouvidos, 28% usam alguma mídia social. Há três tipos de pessoas usando software social com frequência na empresa: os early adopters; os mais atarefados e ocupados; e os funcionários mais jovens. Isso não é nenhuma surpresa, diz o analista da Forrester T.J. Keitt, porque esses grupos são os candidatos óbvios a adotar a mídia social.

Os chamados early adopter são geralmente usuários de tecnologia assíduos, sempre abertos a serem os primeiros a testar novas soluções. Os mais ocupados na empresa sempre procuram encontrar formas de acelerar processos. E os mais jovens são os que naturalmente ajudam a levar ferramentas sociais para dentro da corporação.

Mesmo que muitas empresas ainda imponham restrições aos empregados para logar nas redes sociais públicas, como o Facebook e o Twitter, isso não necessariamente tem impedido o acesso por meio de equipamentos pessoais e smartphones. Se você não pode impedi-los, junte-se a eles, diz o ditado.

Nessa linha, a Forrester recomenda gerar políticas internas que estimulem o uso responsável das tecnologias sociais no trabalho. Isso deve incluir mudar regras que descrevem o que é um comportamento aceitável ou não e criar incentivos para que as pessoas ajam de acordo.

Fonte: Computer World

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

O mundo das mídias sociais em 2011

O site americano Videoinfographs fez um vídeo com dados e curiosidades das mídias sociais em 2011 - e dos usuários também. Tem números do Facebook, Twitter, Google +, Youtube, Instagram, Foursquare e várias outras redes. Vale a pena conferir:

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Klout firma-se como termômetro da influência na web

O índice Klout, que mede a influência da pessoa nas redes sociais, começa a ser citado até no currículo de profissionais em busca de emprego 



Você é uma pessoa influente? Se não tiver certeza sobre isso, pergunte ao Klout. O site americano que mede – por meio de uma escala de zero a cem – o nível de influência de pessoas, organizações e marcas nas redes sociais começa a virar febre. O índice Klout já é visto até em currículos de profissionais em busca de emprego.

O Klout leva em conta mais de 30 variáveis para calcular o índice de influência. São coisas como o número de pessoas que curtiram as publicações da pessoa no Facebook e a quantidade de retuítes que seus posts tiveram no Twitter. O site diz que faz esse cálculo para mais de 100 milhões de pessoas. De fato, basta que alguém tenha uma conta ativa no Twitter para que apareça no Klout.

O usuário pode enriquecer seu perfil associando, a ele, contas de serviços como Facebook, Flickr, Tumblr, LinkedIn e Google+. Segundo o Klout, isso aumenta a precisão do cálculo. Mas não ajuda, necessariamente, a melhorar a pontuação. O índice médio do site é cerca de 20. Chegar ao valor máximo, 100, é uma meta quase impossível.


Os campeões
O astro teen Justin Bieber conseguiu a nota máxima. Já Lady Gaga atingiu 92, pontuação que a posiciona como uma das mulheres mais influentes das redes sociais. Entre os brasileiros, Rafinha Bastos – que chegou a ser apontado como a personalidade mais influente do Twitter neste ano – tem índice Klout 83. Luciano Hulk fica com 78. E a presidente Dilma Rousseff soma 65 pontos.

Também há empresas brasileiras bem avaliadas. A TAM, por exemplo, é a nona companhia aérea mais influente nas redes sociais segundo o Klout. Seu índice é 65. As campeãs são a Delta e a Virgin America, empatadas com 70 pontos. Além de informar o índice, o site lista tópicos em que a pessoa é considerada influente. EXAME.com, por exemplo, tem índice 71 e influencia pessoas em 12 tópicos.

O site ainda classifica os usuários em 16 categorias como Observador, Socializador ou Celebridade. Essa classificação leva em conta a frequência com que a pessoa publica informações, a variedade de assuntos que ela aborda e quanto suas publicações reverberam nas redes sociais.

Em maio deste ano, o Klout passou a conectar pessoas com alto índice de influência a empresas interessadas em divulgar produtos e serviços. Companhias como Starbucks, Audi, Virgin America e Danone fizeram promoções ou distribuíram produtos a esses usuários classificados como influentes. É o que o site chama de Perks. Mais de 250 mil desses brindes já foram distribuídos.


Elitismo
O empreendedor Joe Fernandes idealizou o Klout em seu quarto enquanto se recuperava de uma cirurgia, em 2008. Ele e seu sócio Binh Tran colocaram o serviço no ar em 2009. O site é criticado pelo seu caráter elitista. Mas seu funcionamento é parecido com o de concorrentes como PeerIndex e Twitter Grader. E, ao que parece, esse modelo veio para ficar. O jeito é ir se acostumando a ser avaliado por um índice.

Fonte: EXAME

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Facebook de olho nos pequenos empreendedores

Vice-presidente global de marketing do Facebook, Grady Burnett é atualmente um dos principais executivos da rede social mais famosa do planeta – são 800 milhões de usuários em todo o mundo, sendo 30 milhões apenas no Brasil. Ex-diretor de operações e vendas online do Google, Burnett concedeu entrevista exclusiva ao Estadão PME em recente visita ao País. Durante a conversa, o norte-americano apontou as melhores estratégias que um pequeno ou médio empreendimento pode adotar para sempre usar a rede a seu favor.
Leia a seguir os principais trechos.


Qual o objetivo da sua visita ao Brasil?
Grady Burnett -
Nossa empresa está sediada na Califórnia, mas havia muita curiosidade e animação sobre o que estava acontecendo na América Latina e no Brasil. Nós abrimos um escritório no País, tivemos um bom crescimento e eu quis ver de perto, conversar com clientes e identificar oportunidades. Saio animado.


Podemos esperar novidades do Facebook para pequenos empreendimentos?
Grady Burnett -
Nós acreditamos no poder de pequenos negócios e continuaremos estimulando a participação deles no Facebook. Com a nova interface, teremos mais fotos e ferramentas para a empresa crescer, se conectar com mais usuários e construir conexões. Nosso objetivo é aumentar o número de recursos continuamente.


Qual a melhor forma de uma empresa conquistar clientes por meio da rede?
Grady Burnett -
O primeiro passo é criar uma página corporativa para promover o negócio. É muito importante colocar nessa página todas as informações da empresa porque isso cria a oportunidade das pessoas se tornarem fãs da companhia e do empresário se conectar e promover discussões com elas. Essa é uma maneira poderosa de fazer o consumidor perceber que ele importa e do empresário entender o que seus clientes querem. O Facebook tem 800 milhões de usuários no mundo e 30 milhões no Brasil. Essas pessoas estão engajadas e se importam com os negócios das comunidades ao seu redor.


Como a empresa deve começar essa interação?
Grady Burnett -
O importante é que o empresário se aproxime desses seguidores, divida com eles novas ideias e saiba o que eles pensam. Nós vimos alguns casos de sucesso nos quais as empresas fazem perguntas em sua página, como o tipo de desconto que o cliente gostaria de receber em determinada ocasião. Elas conseguiram com isso criar engajamento e ter um feedback que ajudou o negócio a crescer. Também é interessante postar textos, artigos e informações que os usuários possam dividir com seus amigos para divulgar espontaneamente a empresa.


Qual o impacto atualmente da participação ativa nas mídias sociais para um negócio?
Grady Burnett -
Nós percebemos que muitas empresas estão de fato conseguindo crescer por meio das mídias sociais porque hoje é comum que as pessoas tomem decisões com base no que está sendo recomendado pelos amigos e pela família nas redes. As pessoas realmente estão se comunicando e dividindo coisas que elas gostam por meio da internet. E muitas dessas coisas são sobre negócios.


Quais as melhores maneiras de se comunicar com clientes por meio do Facebook?
Grady Burnett -
Experimente. Tente de tudo, converse com as pessoas, conte novidades sobre o seu estabelecimento, coloque notícias e artigos relacionados ao seu empreendimento. Isso inspira os seus fãs a dividir sua página com os amigos e fazer propaganda sobre você na internet. As empresas têm que estar prontas para participar dessa conversa com os internautas. Por meio dela, o empresário tem a chance de entender o seu negócio e um pouco mais a respeito do consumidor.


O segredo, então, é o empreendedor testar diferentes estratégias de interação sem medo de errar?
Grady Burnett -
Acredito que sim. Muitas ideias surgem a medida que você começa a se comunicar e, no Facebook, todos cometem erros.

Fonte: Estadão PME