terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Twitter deve lançar brand pages nesta semana

Páginas seguirão modelo do Facebook e permitirão customização dos ambientes, além de jogos e compras



O Twitter está prestes a lançar páginas especiais para marcas, que, seguindo o modelo já implementado pelo Facebook, permitirão ambientes mais amigáveis à publicidade. De acordo com o Business Insider, o novo projeto deve ir ao ar nesta quarta-feira (1).

A ideia da plataforma é dar às marcas maior flexibilidade quanto aos formatos publicitários, permitindo, por exemplo, que usuários joguem online e façam compras - o que pode ser o primeiro passo para o T-commerce, modelo semelhante ao F-commerce, no Facebook.

Os anunciantes ainda poderão customizar suas páginas, aumentando o tamanho do topo ou o logo, de forma que esses elementos ganhem mais visibilidade.

Em dezembro do ano passado, o site escolheu alguns seletos anunciantes , tais como Coca, Cola, AmericanExpress, Chevrolet e Dell, para testar as novas funcionalidades.

Fonte: EXAME

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Nos principais mercados globais, já existem mais smartphones conectados que PCs

O site Ad Age divulgou uma pesquisa, realizada pelo Google, que revela o rápido crescimento de usuários que adotam smartphones no lugar dos feature-phones, para navegar na internet nos cinco principais mercados do planeta. O estudo analisou o comportamento de vendas, habilitação e consumo de dados em dispositivos móveis, entre os meses de setembro e outubro de 2011, comparando essas dados com aqueles que foram coletados nos meses de janeiro e fevereiro do ano passado.




Segundo os dados da pesquisa, a maior utilização dos smartphones é para acessar a internet - substituindo desktops e notebooks como ferramenta de acesso. Esse comportamento é observado em países como Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha e Japão, que são mercados mais relevantes no mundo da mobilidade. Nos Estados Unidos, por exemplo, a diferença entre as plataformas é de quase 10% a mais para os smartphones - 76% a 68%. Porém, a pesquisa mostra que a maioria dos usuários americanos acessam a internet a partir de vários dispositivos.

O estudo também mostra a taxa de crescimento dos tablets. No mercado internacional, o crescimento foi de 10%, e nos Estados Unidos, 17%. As vendas do final do ano de tablets e e-readers praticamente duplicaram em questão de semanas, e os principais responsáveis por esse aumento de vendas foram o Kindle Fire, as novas versões do e-reader Kindle e o iPad.

Fonte: Techtudo

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Mídias sociais na política: Obama fará entrevista via Google+ e YouTube

O presidente americano Barack Obama fará, no próximo dia 30, uma entrevista exclusiva para o Google+ e YouTube. A entrevista será transmitida pelos canais oficias da Casa Branca nas duas plataformas e é um complemento do discurso anual do presidente, o “State of Union”, realizado nessa semana.




A entrevista será feita pelo recurso de videochamada do Google+, o Hangout, e será transmitida ao vivo, via streaming, pelo YouTube. A página da Casa Branca no site de vídeos já recebe perguntas via texto de internautas de todo o planeta, que poderão questionar o presidente dos Estados Unidos sobre os mais diversos assuntos até o dia 28 de janeiro. Os autores das perguntas mais votadas pelos internautas poderão participar da videoconferência com Obama, através do Hangout do Google+, ao vivo.

Essa é uma forma de Obama sentir o termômetro de uma parte de seu eleitorado sobre esses temas. Além disso, é mais uma iniciativa do presidente que sempre se manteve ativo nas redes sociais e plataformas online. Obama manteve as suas contas do Twitter e Facebook ativas durante os quatro anos de mandato e utilizou o canal oficial da Casa Branca no YouTube para reproduzir pronunciamentos. Logo, o presidente repete a estratégia que funcionou muito bem em 2008.


A entrevista com Barack Obama tem sua transmissão marcada para o dia 31 de janeiro, ao vivo, a partir das 14h30 (horário de Brasília). Acesse o canal da Casa Branca no YouTube.

Veja a propaganda no Youtube:


Fonte: Techtudo

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Magazine Luiza pretende abrir mais de 10 mil lojas em redes sociais

A rede varejista Magazine Luiza, por meio do Magazine Você, uma ação comercial promovida em redes sociais, quer abrir mais 10 mil lojas de e-commerce em plataformas como Orkut e Facebook. A iniciativa permite ao usuário dessas redes sociais ter uma loja virtual com até 60 produtos da rede.

Para potencializar o alcance da ação, aberta para o público nesta quinta-feira (26), a rede apostou na popularidade da paraibana Luiza Rabello (aquela que estava no Canadá) como garota propaganda do projeto. De acordo com um tweet publicado pela empresária Luiza Trajano, a estudante já possui a sua loja virtual no Facebook. "A minha xará, a Luiza do Canadá, também participou da coletiva e já abriu uma lojinha do Magazine Você", escreveu a executiva em seu perfil no microblog.

Com a venda, os usuários ganham uma comissão de 2,5% ou 4,5% por cada item comercializado. De acordo com a rede varejista, toda a operação de compra, incluindo o estoque, o pagamento e a entrega, é de responsabilidade do Magazine Luiza.

"Transformamos a venda de porta a porta no clique a clique", afirma o diretor de marketing e vendas da rede, Frederico Trajano, no material entregue a jornalistas antes da coletiva de imprensa realizada em São Paulo.

Para criar a sua loja virtual do Magazine Luiza, é necessário ter mais de 18 anos e uma conta corrente em seu nome. A partir daí, o cadastro é feito em um site desenvolvido exclusivamente para o projeto. Funcionários da rede e pessoas jurídicas não podem participar da ação.

O projeto foi criado em 22 de agosto de 2011. Inicialmente, apenas familiares de funcionários da rede poderiam se tornar divulgadores. Nessa primeira fase, já foram abertas mil lojas. A abertura para o público geral é a partir desta quinta-feira (26) para atingir a meta de 10 mil lojas nas redes sociais até o final do ano.

Fonte: Estadão

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Não acredite nos números do Google+

A rede social alcançou a marca de 90 milhões de usuários, mesmo assim a empresa tem pouco a celebrar

Larry Page


O CEO do Google, Larry Page, comemorou, na semana passada, a marca de 90 milhões de usuários no Google+. Não se engane. A empresa tem pouco a celebrar.

Está mais do que claro que o Google+ virou uma obsessão para Page e seus funcionários. Com o crescimento estrondoso do Facebook e sua mania de engolir a internet, pode ser mesmo vital ter uma rede social capaz de manter a audiência dos internautas (afinal, há o risco de não sobrar ninguém para clicar nos anúncios do Adwords). Em um futuro hipotético dominado por Mark Zuckerberg, os usuários viveriam o tempo todo em um mundo online à parte, controlado pela sua companhia e invisível para os buscadores.

Como o pessoal de Mountain View quer que o Google+ dê certo de qualquer maneira, a ordem é conseguir uma quantidade recorde de cadastrados. Quando você cria uma conta do Google, por exemplo, acaba criando também um perfil na rede social. Existem anúncios em vários dos produtos da empresa que tentam convencer as pessoas a se cadastrarem lá. O que os 90 milhões mostram é que essa parte do plano tem dado certo.

Mas os números escondem outro dado muito importante. Desses 90 milhões, quantos são usuários realmente ativos? Provavelmente uma parcela muitas vezes menor. Em qualquer rede social, o importante não é apenas reunir uma grande quantidade de pessoas, mas o engajamento. Se todo mundo se cadastra e ninguém interage, não há motivo para festa. Ainda falta muito para o Google+ decolar. Se isso acontecer, vai ser na marra.

Fonte: EXAME

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Redes sociais e tablets serão tecnologias disruptivas para muitos segmentos em 2012

A consultoria Gartner publicou suas principais previsões para os departamentos de TI (tecnologia da informação) que vão afetar controle, orçamentos e custos nos próximos anos.

As previsões dizem que “os modelos de negócio da indústria serão desafiados até 2015 à medida que os consumidores continuem a adotar um estilo de vida digital sempre conectado”, afirmou a analista da Gartner, Kimberly Harris-Ferrante.

“A computação na nuvem e as mídias sociais continuarão a fornecer às empresas novas avenidas para a comunicação e o comprometimento efetivos dos consumidores, facilitando o aumento dos rendimentos e a interação sustentável”, disse Kimberly.

A especialista afirmou que tecnologias como os tablets e avanços no mercado mobile terão um “impacto de ruptura em muitas indústrias, exigindo mudanças em processos existentes e impulsionando transformações no mercado”.

As principais previsões para a indústria da Gartner são:
-Até 2013, a penetração do iPad entre representantes de vendas farmacêuticos alcançará 85%
- Até o final de 2014, pelo menos uma provedora de rede social vai se tornar um canal de vendas de seguros.
- Até 2015, 80% das implementações de multicanais vão falhar porque os varejistas irão reter canais e estratégias centradas em produtos.
- Até 2015, departamentos de TI ineficientes arriscarão sérias falhas em mais de 50% das organizações.
- Até 2015, 30% dos projetos grid inteligentes vão alavancar serviços na nuvem para tratar grandes quantidades de dados vindas de tecnologias convergentes.
- Até 2015, novos serviços sociais externos na web e baseados na nuvem irão gerar 25% dos produtos e serviços bancários direcionados para o consumidor.

“O mercado e os ambientes econômico, demográfico e tecnológico que as indústrias enfrentarão em 2012 exigirão que elas sejam espertas em suas operações e práticas corporativas. Ser ágil e adotas novas práticas de negócio serão regras imperativas para a sobrevivência no mercado em 2012”, finaliza a analista da Gartner.

Fonte: CIO UOL

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Facebook anuncia integração com novos apps



O Facebook anunciou essa semana a integração de cerca de 60 novos apps à plataforma. Por meio dos apps, o usuário pode compartilhar diretamente em sua timeline conteúdos como os livros que leu, páginas favoritadas, pratos que provou, trechos percorridos em uma corrida etc.


Entre os novos programinhas estão o Runkeeper, Foodspotting, Goodreads, Causes, Rotten Tomatoes, Zynga, eBay, Airbnb, entre outros.

A integração com outros serviços é mais um passo do Facebook em sua tentativa de se tornar a única plataforma de conexão social na web. Ela já havia sido anunciada em setembro do ano passado, durante a apresentação da Timeline, modelo atual de interface da rede social, que arquiva os conteúdos compartilhados pelo usuário em meses e anos de acordo com a sua publicação.

Uma relação de todos os apps disponíveis para o Facebook, em diferentes categorias, pode ser acessada no endereço https://www.facebook.com/about/timeline/apps.

Atualmente, o Facebook conta com mais de 800 milhões de usuários. Segundo a empresa iCrossing, a rede social deve chegar à marca de 1 bilhão de clientes em agosto deste ano.

Fonte: EXAME

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Orkut ganha app para iPhone e iPad

O aplicativo da rede social mais velha do Google chega seis anos da sua criação. Tarde demais?

 Essa talvez impressione quem achava que o Google havia abandonado sua rede social criada em 2006 e que hoje conta basicamente com brasileiros entre seus usuários. O Orkut acaba de ganhar um aplicativo para iOS, sistema operacional compatível com iPhone, iPad e iPod Touch.

O aplicativo surge seis anos depois da criação da rede social, que caiu para a segunda posição no País, segundo números da comScore divulgados nesta terça-feira, 17. O Brasil era até então um de um grupo de sete países em que o Facebook ainda não a rede social mais acessada. O instituto de medição constatou que o Facebook teve cerca de 36,1 milhões de visitantes únicos em dezembro de 2011, enquanto o Orkut teve 34,4 milhões.

Em um outro estudo, este apresentado em janeiro por um analista independente, o Brasil é apontado como a região onde o Facebook mais cresceu no mundo. O aumento, comparando 2011 e 2010, foi da altura de 298%.
O aplicativo foi liberado na App Store nesta quarta-feira, 18, com versões em português e inglês. Para baixar, clique aqui.

Fonte: Link Estadão 

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Com crescimento de 192% em 2011, Facebook passa Orkut no País


O Facebook passou o Orkut e assumiu a liderança em números de usuários nas redes sociais do País após um ano de crescimento excepcional. Os dados, referentes a dezembro e divulgados dia 17 desse mês pela comScore, mostram que o Facebook teve no mês passado 36,1 milhões de visitantes únicos, um aumento de 192% nos últimos 12 meses. Já o Orkut fechou dezembro com 34,4 milhões, com crescimento de apenas 5% em um ano.

Em nota, o vice-presidente da comScore na América Latina, Alex Banks, afirmou que a rápida ascenção do Facebook no mercado brasileiro foi um dos números mais interessantes de 2011. "O Brasil sempre foi um mercado particularmente social, e atualmente possui a quinta maior população de redes sociais no mundo. Mas, apesar da afinidade cultural para mídias sociais, a adoção do Facebook estava atrasada no mercado. Tudo isso mudou no ano passado, quando o site triplicou em tamanho sua audiência e viu o engajamento crescer sete vezes para assumir a posição de liderança no mercado", afirmou Banks.

Além do número de membros, o Facebook teve um crescimento impressionante em outros quesitos durante o ano passado, inclusive um aumento significativo no engajamento dos usuários. Em dezembro, cada usuário gastava uma média de 4,8 horas mensais na rede, contra apenas 37 minutos em 2010, crescimento de 667%. Os usuários visitaram uma média de 500 páginas no mês passado, contra apenas 66 no mesmo período de 2010. O número de visitas ao Facebook mensalmente também teve crescimento significativo, de uma média de 10 em 2010 para 27 no ano passado.

Perfil dos usuários

O relatório mostra ainda que as mulheres gastam mais tempo na rede, com uma média de 5,3 horas mensais contra 4,1 horas dos homens. Os usuários entre 25 e 34 anos são a maior parte da audiência da rede, representando 30,6% do total. Os usuários na faixa entre os 15 e 24 anos, 28,2% do total, são os que passam mais tempo na rede: 6,2 horas por mês, em média.

Os usuários de São Paulo representam 34,2% do total do Facebook no Brasil, mas são os visitantes do Rio de Janeiro e do Distrito Federal que passam mais tempo na rede, 5,1 horas por mês. Segundo Banks, o Sudeste foi a primeira região do País onde o Facebook alcançou a liderança, mas os dados de dezembro mostram que a região foi responsável pela metade das visitas ao site, contra 75% um ano antes, "demonstrando a adoção generalizada do site de todo o País".

Um relatório da comScore divulgado no mês passado com números de novembro mostravam que o País era um dos sete países em que o Facebook não liderava o mercado, acompanhado por acompanhado por China - que bloqueia o acesso à rede -, Japão, Polônia, Rússia, Coréia do Sul e Vietnã.

Outras redes

A pesquisa mostra que o Windows Live segue na terceira posição no Brasil, com 13,3 milhões de usuários, seguido pelo Twitter, com 12,4 milhões. A rede de microblogs, no entanto, apresentou uma curva de crescimento maior, de 40% no último ano, contra 13% da rede da Microsoft. O Google+, última investida da gigante da internet nas redes sociais, amarga a sexta posição no Brasil, com 4,3 milhões de usuários, atrás da Vostu.com, que conta com 4,9 milhões.

Metodologia e a exclusão das lan houses

A comScore leva em conta na medição de audiência nas redes sociais usuários com mais de seis anos que acessam a internet em casa e no trabalho, deixando de lado quem acessa a web em lan houses, por exemplo, quesito que poderia aumentar a quantidade de brasileiros no Orkut. Além disso, as pesquisas contam o número de visitantes únicos em um determinado período, e não a quantidade de pessoas cadastradas nos serviços.

"Há um percentual que me parece bastante significativo de acesso ao Orkut que vem de lan houses e espaços públicos que não está computado nessa audiência. No caso do Orkut, esse número pode ser significativo, uma vez que o acesso tem crescido, justamente, junto a esses grupos. No Facebook, ao contrário, o acesso estava focado nas classes A e B, e crescendo na classe média, ou seja, espaços onde o grosso dos números está no acesso de casa ou do trabalho", afirmou em setembro a pesquisadora em mídias sociais Raquel Recuero, para quem o site foi "fundamental" na entrada do brasileiro nas redes.

"O Orkut acabou não só sendo a grande porta de entrada da internet para o brasileiro, como uma das principais motivações para isso. Para mim, seu papel na inclusão digital é incrível", afirmou. "Acho que jamais teremos um fenômeno semelhante, em termos de importância para um país. Mas também não sei por quanto tempo sobreviverá", disse.

Fonte: IstoÉ

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

AVON lança ferramenta interativa para venda nas redes sociais

A Avon, maior empresa de venda direta de cosméticos do mundo, começa a disponibilizar para os revendedores autônomos da marca no Brasil uma nova ferramenta de vendas para ser usada em até 29 redes sociais, como o Facebook, Orkut, Twitter, Google+, Wordpress, Blogger e outros. Trata-se da possibilidade de inserção de um widget no perfil do revendedor, que permite a ele compartilhar com sua rede de amigos o folheto virtual da Avon – que já é amplamente utilizado pelos revendedores – e, a partir daí, receber eletronicamente os pedidos vindos dessa rede. O lançamento da ferramenta representa mais um passo no sentido da otimização dos serviços para os revendedores, de forma a proporcionar-lhes maior desenvolvimento de sua rede de relacionamentos e, com isso, maior oportunidade de ganhos. 

Atualmente, a internet é o canal de maior relevância na captação de pedidos da empresa, sendo utilizado tanto na divulgação de produtos quanto no relacionamento com os revendedores e consumidores. A decisão está alinhada com o programa global da companhia que tem como objetivo a rápida evolução do volume de pedidos pela internet e a utilização cada vez maior dos canais de comunicação digitais com os revendedores.

Os revendedores autônomos da marca já contam com uma página só para eles no ambiente virtual da Avon, onde não apenas colocam seus pedidos, mas também recebem treinamentos, notícias, informações sobre produtos, ofertas, incentivos e ações sociais da companhia. O novo widget do folheto virtual fica disponível neste espaço e sua ativação leva apenas alguns minutos. Após isso, o linking gráfico do folheto virtual passa a estar sempre presente no perfil do revendedor, com uma mensagem pessoal realçando lançamentos e ofertas da campanha em vigor. “Essa novidade aumenta a divulgação do nosso folheto de produtos, que é a verdadeira vitrine da Avon. Seja impresso ou pela internet, é com ele que o revendedor apresenta aos seus clientes o portifólio de produtos inovadores e as ofertas que oferecemos a cada campanha de vendas, que dura em média 19 dias”, explica Luiz Soares, diretor da área de Inovação e Contact Center.

Para o consumidor, a nova ferramenta nas redes sociais torna a compra de produtos Avon ainda mais prática. Basta ele entrar no perfil do revendedor que o atende e, de qualquer local, enviar o pedido. 

Dessa forma, mesmo eletronicamente, o revendedor continua a ser a pessoa que promove o relacionamento com o consumidor e oferece a ele toda a consultoria necessária para que adquira exatamente o produto que atende às suas necessidades. “É mais uma iniciativa inovadora que oferecemos aos revendedores para potencializar o negócio de cada um deles e contribuir para o aumento de sua lucratividade”, comenta Luiz Soares. “Temos segurança de que também vai gerar um aumento no número de consumidores e revendedores autônomos, reforçando ainda nosso compromisso com a inovação.

Fonte: Assessoria Avon 

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Timeline do Facebook: isso beneficiará o seu negócio?

Vocês já puderam ver o formato timeline do Facebook. Talvez a sua própria página pessoal do Facebook está no formato de linha do tempo. Mas o que timeline significa para as marcas?



Atualmente, o formato timeline do Facebook, que substitui páginas de perfil e é basicamente um álbum cronológico da sua vida, está disponível somente em páginas pessoais. O Facebook deu a entender que a linha do tempo vai estar disponível para as marcas em algum momento no futuro, mas a empresa não anunciou nada de explicitante.

Um interessante estudo encomendado pelo Mashable examinou como os usuários veem o timeline do Facebook e outras revisões para sites de redes sociais. O estudo descobriu que a linha do tempo cobre as primeiras fotos noticiadas e que o Facebook tem adicionado mais noticias no timeline do que no formato antigo.


Clint Fralick, vice-presidente de serviços ao cliente de Boston, vê um valor potencial na linha do tempo do Facebook para o negócio da empresa. “Como conceito/metáfora, o valor do timeline para as companhias é a perspectiva histórica que isso empresta para interação entre as empresas/marca e a comunidade do Facebook”, disse.

Fralick pensa que as empresas podem se beneficiar da linha do tempo, mesmo antes que elas possam implantá-la para suas próprias marcas através do efeito residual do que os usuários postam em seus próprios timelines. “Usuários preenchendo sua própria linha do tempo irá gerar um grande número de histórias que são organicamente ligadas às marcas”, disse ele. Muitas marcas fashion, por exemplo, vão se beneficiar de todas as pessoas que postam fotos de 10 anos atrás e vão a missão de um relacionamento.

Alison Kimszal, analista de negócios e tecnologia da consultoria DefinedLogic, disse que o timeline do Facebook permitiria às empresas angariarem suas histórias e ofereceriam uma navegação melhorada. Quando a “linha do tempo estiver habilitada para páginas do Facebook, isso permitirá as empresas fazerem uma representação gráfica de sua história – quando começou, eventos significativos ao longo dos anos, fotos e vídeos”.


No entanto, enquanto os especialistas podem ver algum potencial valor na linha do tempo do Facebook para marcas, eles também apontam algumas desvantagens – mais notavelmente interferência. “Haverá várias desvantagens em relação às marcas que têm atualmente curtido Gates, Tabs e outros aplicativos instalados – o timeline irá afetar a forma como dessas atuais funções”, disse Kimszal. “Outra desvantagem seria que os clientes que estão acostumados com a atual página das empresas podem não gostar do novo cronograma da página.”

Fralick concorda que a linha do tempo pode afetar as marcas existentes nos aplicativos do Facebook e observa que isso poderia desviar a atenção do que ele vê como mais importantes para os negócios no Facebook. “Publicar conteúdo simples, de qualidade e conversando com suas comunidades”.


Fonte: Information Week

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Veículos da Mercedes ganham aplicativo para Facebook

Depois dos smartphones e tablets, os carros. A maior rede social do mundo, o Facebook, chega aos veículos, e os primeiros a recebê-la são os da Mercedes-Benz. A empresa mostrou nesta terça-feira (10/02) durante a CES 2012 – a maior feira de tecnologia do mundo – como funcionará a sincronia.
O Facebook será só um dos aplicativos adicionados ao sistema de entretenimento Mbrace 2, que equipará os carros da linha SL, a serem lançados nos próximos meses nos Estados Unidos.
Segundo a agência de notícias Reuters, as funcionalidades do programa não serão as mesmas que as das versões para Android e iOS, por exemplo. Elas serão limitadas, mas voltadas às necessidades que motoristas podem ter, como a localização de residências de amigos ou locais de trabalho.
Para Dan Rose, vice-presidente de parceria e marketing da Mercedes, a chegada do Facebook aos veículos é um caminho lógico. Ele diz que, se as pessoas utilizam dispositivos GPS em seus percursos, gostarão de localizar seus amigos com a mesma facilidade.
Como a preocupação em relação a motoristas que utilizam smartphones enquanto dirigem tem crescido, a empresa acredita que, ao incorporar alguns dos recursos aos seus veículos, acidentes serão evitados. O aplicativo da rede social desenvolvido não suporta atividades que requerem a digitação de texto, justamente para não distrair o usuário.
É possível, porém, postar mensagens pré-escritas em seu perfil ou configurar a publicação automática de algumas, quando, por exemplo, você estiver a caminho de um lugar o próximo do destino. Haverá avisos quando o usuário estiver próximo a algum amigo ou a algum restaurante que tenha curtido na rede social.
No entanto, esqueça jogos como Farmville ou Mafia Wars. Aplicativos de terceiros não são compatíveis com a plataforma criada para os carros da Mercedes.
Fonte: Idgnow

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Em quais redes sociais a minha empresa deve estar?


Respondido por Leandro Kenski, especialista em marketing digital






A resposta é fácil: nas que seus clientes estão. Em uma rede social com 792,9 milhões de visitantes únicos em um mês e 35 milhões de brasileiros cadastrados, há grandes chances de encontrar interessados nos produtos ou serviços da sua empresa.

Esses são os números do Facebook, que em 2011 apresentou diversas novidades que garantiram mais um ano de sucesso, confirmado pelo crescimento tanto do número de usuários, quanto da receita, que chegou a 1,6 bilhão de dólares.

As inovações foram desde novas possibilidades para anunciantes dentro da rede até a abertura de sua plataforma para desenvolvedores, possibilitando transformar qualquer página da web em uma página do Facebook, por meio dos botões de curtir, compartilhar, entre outros recursos.

No entanto, um novo concorrente desponta com a ideia de roubar o público do Facebook em 2012. No Google+, apesar de em novembro ter alcançado o equivalente a apenas 10% dos visitantes únicos do Facebook, o número de usuários cadastrados vem crescendo rapidamente e, no mesmo mês, o Brasil foi o país que mais acessou a rede, segundo a comScore.

Além de ser visto como uma alternativa para as pessoas que já estão cansando do Facebook, por causa da banalização da rede, do excesso de anúncios, informações e spam, o Google+ tem a grande vantagem de gerar alta relevância para conteúdo compartilhado ali, fazendo com que melhore seu posicionamento nos resultados de buscas e gerando mais tráfego. Se entre as estratégias para 2012 da sua empresa está marketing de busca e SEO, é importante pensar em estar presente no Google+.

Redes sociais baseadas em aplicativos mobile com recursos de geolocalização, gamification e no compartilhamento de imagens também são promissoras. Entre elas estão os já populares Instagram, Foursquare, Foodspotting e GetGlue e o novo Pinterest - já com mais de 5 milhões de usuários - que valem uma análise de público e um estudo de como sua empresa pode participar de forma estratégica.

Fonte: EXAME

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Google integra sua rede social às buscas

A integração do mecanismo de busca do Google e a rede social Google+ ficou mais profunda. O algoritmo do Google foi atualizado para integrar o Plus à busca e vai indexar conteúdos públicos e privados. Isso significa que perfis, fotos, círculos e posts aparecerão em um resultado customizado para cada usuário.


Os resultados darão prioridade às páginas compartilhadas por amigos da rede social. "Há um mundo na internet, o das redes sociais, que não aparece nas buscas. Isso muda a partir de hoje", disse Amit Singhal, engenheiro do Google. A empresa chama a nova função de "Search Across Your World", ou "busque através de seu mundo". A recomendação é que o usuário permaneça logado ao efetuar buscas.

A mudança vai além da atual integração, que mostra qual amigo compartilhou determinado conteúdo ou marcou aquilo com o botão +1, semelhante ao botão "curtir" do Facebook. Ao buscar por uma foto, as imagens postadas por seus contatos aparecerão nos resultados, além das fotografias públicas.

Na configuração de busca social, só aparecem os resultados relacionados ao usuário - conteúdos públicos ou compartilhados em seu perfil.

Fonte: Estadão

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Companhias invadem as redes sociais



Por Talita Moreira | De São Paulo

Um dos princípios básicos da administração sugere que uma empresa, para ser bem-sucedida, deve estar perto do consumidor. Com o êxito das mídias sociais, um número crescente de companhias tem transportado essa lógica para redes como Facebook e Twitter - que, afinal, podem concentrar milhares ou até milhões de compradores de uma marca.

Levantamento feito pela KPMG em dez países indica que 70% das grandes companhias já estão nas redes sociais. Essa presença pode assumir várias formas. A mais óbvia é a criação de um perfil da empresa nessas mídias, mas anúncios publicitários e o monitoramento do que se fala sobre a marca são iniciativas cada vez mais adotadas.

O Brasil, um dos campeões no uso das redes sociais, acompanha de perto a média global: 68,1% das empresas consultadas afirmaram já ter presença nesse meio. O estudo foi divulgado com exclusividade ao Valor.

"As companhias estão percebendo que, para permanecer no jogo, precisam participar das redes sociais. Quem não está [nas redes], vai ficar para trás na competição", afirma o diretor da KPMG no Brasil, Timothy Norris. Segundo ele, marcar território em sites como o Facebook tornou-se importante para assegurar a fidelidade do consumidor e para saber qual é a percepção que as pessoas têm da empresa.

A adesão às redes sociais é mais forte nos setores que têm grande volume de consumidores: comércio, serviços financeiros e comunicações são os segmentos mais atuantes nessas mídias, conforme o levantamento.

A tendência é mais forte nos países emergentes. Os consumidores desses mercados são mais abertos ao uso das redes sociais e, por tabela, as empresas têm de ser mais atuantes. "As pessoas são mais receptivas e as empresas desses países estão ávidas por aumentar suas vendas e conquistar o mercado consumidor", avalia Norris.

Curiosamente, a lista é encabeçada pela China, com mais de 80% de suas grandes empresas presentes nas mídias sociais. A explicação reside no próprio controle que o governo chinês faz da internet e no fato de que há participação estatal nas grandes companhias. Estados Unidos e Índia aparecem em segundo e terceiro lugares, respectivamente, seguidos pelo Brasil.

Para elaborar o levantamento, a KPMG entrevistou cerca de 4 mil profissionais em dez países: Alemanha, Austrália, Brasil, Canadá, China, Estados Unidos, Índia, Japão, Reino Unido e Suécia.

Estreitar o relacionamento com os consumidores é o principal interesse das empresas nas redes sociais. Essa justificativa foi apontada por 66% dos entrevistados. Desenvolvimento de negócios, suporte ao cliente, monitoramento da marca e recrutamento de profissionais foram outros motivos citados.

Porém, algumas companhias já recorrem às mídias sociais como laboratório para lançar produtos. O estudo indica que 26,4% das empresas começam a usar as redes com essa finalidade, enquanto 30,6% estão expandindo essa prática e 14,1% pretendem iniciá-la nos próximos meses. Já não são raros os casos de companhias que usam o Facebook e o Twitter para saber, por exemplo, quais as cores de carro ou sabores de bebida desejados pelos consumidores. "Quem conseguir saber com quem está falando será um claro vencedor", diz Norris.

À medida que ganham familiaridade nesse ambiente, as companhias ficam mais abertas a permitir que os funcionários usem as redes sociais. Porém, a maioria das empresas (61,6%) definiu regras específicas para o uso dessas mídias, numa tentativa de coibir comportamentos inadequados.

Fonte: Valor

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Aumenta uso das redes sociais para fins profissionais

Para Unisys, companhias ainda estão limitadas à divulgação da marca, mas ao colocar as mídias no centro da estratégia podem observar inúmeros benefícios


Já é realidade. Cada vez mais profissionais usam rede sociais para fins corporativos. Estudo recente realizado pela consultoria IDC a pedido da Unisys comprova e aponta que a utilização destes sites no trabalho foi duas vezes maior em 2011 em comparação com o ano anterior. E esse cenário deve se consolidar ainda mais nos próximos meses.

“Todos os segmentos de mercado estão caminhando para essa direção, porque é um movimento que vem de baixo para cima”, opina Paulo Roberto Carvalho, diretor de negócios de outsourcing da Unisys na América Latina.

Fato curioso é que as empresas utilizam as mídias sociais para iniciativas de marketing e propaganda dos produtos e serviços. Elas ainda não aprenderam a extrair todos os benefícios das tecnologias. “As redes sociais vão além e podem ser parte estratégica, uma forma de se aproximar e escutar os clientes, ampliar a produtividade e competitividade e ainda assumir a função de ferramenta de colaboração entre os empregados”, avalia.

O executivo aponta que nos Estados Unidos e na Europa as redes sociais já são parte da estratégia dos negócios e os resultados podem ser observados no aumento das oportunidades, fidelização do cliente, feedback imediato dos consumidores e aproximação com o público-alvo. Segundo ele, o consumidor não se contenta mais com uma página da empresa na web, estática. “É por isso que essa comunicação interativa passa a ser vital”, assinala.

Fonte: ComputerWorld

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Como sua empresa trabalha nas redes sociais?



Olá!

Hoje quem vos escreve sou eu, Acácia, e quero contar pra vocês a minha opinião e a minha percepção a respeito do que tenho ouvido das empresas com as quais trabalhamos, clientes e prospects. Sejam pequenas, médias ou grandes, é comum sentir um certo temor sobre a entrada e a permanência nas mídias sociais.

Algumas empresas têm suas contas abertas, mas sem conteúdo. Outras a mantém com 1 post por semana; 1 post a cada 2 ou 3 dias, um link de lançamento, uma notícia aqui outra acolá. Raras, mas ainda existem, são as empresas sem perfil no Facebook ou Twitter.

O que ouço dessas empresas é mais ou menos a mesma coisa: "não temos novidades todos os dias para compartilhar", "não temos tempo",  "não conseguimos monitorar", "e se publicarem alguma coisa desagradável?", "não sabemos que linguagem usar". Para todas elas tenho a mesma resposta: é fundamental a contratação de uma empresa especializada para trabalhar a sua marca nas redes sociais.

O conteúdo precisa ser gerado diariamente, e não basta 1 ou 2 por dia, é preciso muito mais. Além disso, é necessário uma pessoa atenta durante todo o período para responder rapidamente todas as dúvidas, sugestões ou possíveis reclamações. A ausência de respostas e interatividade faz com o que os seguidores e amigos desconfiem da validade daquele perfil: não basta estar nas redes, é preciso participar ativamente dela.

Alguns de nossos clientes, antes de nos contratarem, deixavam as mídias sociais sob a responsabilidade de um funcionário do maketing ou da comunicação. Essa prática se mostrou ineficaz, pois o funcionário, além das atividades diárias, precisa publicar matérias interessantes, convidar pessoas, criar a rede, entusiasmar, responder, etc, etc.

Parece um trabalho simples, mas não é. Nós, da YellowA, passamos o dia inteiro pesquisando, procurando matérias pertinentes ao produto de cada cliente, transformando a notícia em valor, criando a necessidade de cada consumidor (ou consumidor em potencial) seguir e/ou continuar seguindo a marca. Tudo isso porque não basta encher o Facebook (ou Twitter e cia) de links do próprio site ou com fotos de produtos: o consumidor quer mais, quer vínculo e confiança.

Dessa forma, desaconselho uma empresa a manter uma conta semiativa, pois pode ser mais prejudicial uma comunicação falha do que um SAC burocrático.

Na era da comunicação rápida, instantânea, em que o consumidor indica ou critica sua marca para 300, 1000, 10 mil, 100 mil amigos, a certeza que se tem é que é fundamental estar onde ele está, conversar com ele, entendê-lo e ser proativo. Hoje, esse lugar é a mídia social. Exercite seu marketing nela da maneira como nunca antes foi feito: com amizade, valor e transparência. Ou sua empresa vai desaparecer. Como se diz no Twitter #fato :-)

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Mídias Sociais: estatísticas para 2012

O Facebook adicionou mais de 200 milhões de usuários no último ano. O Twitter agora possui 100 milhões de usuários ativos e o LinkedIn tem mais de 64 milhões de usuários só na América do Norte. 2011 foi um ótimo ano para as mídias sociais!

A empresa de marketing digital Dream Systems Media coletou dados fornecidos pela AdAge e converteu em um infográfico bem interessante, com estatísticas que dão o pontapé inicial para 2012. Dá uma olhada:


Fonte: Escave

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Principais assuntos de mídias sociais que estarão em pauta em 2012

Estudiosos e profissionais de diferentes áreas projetam quais os principais assuntos de mídias sociais que estarão em pauta em 2012. Confira conosco:


SOCIAL COMMERCE

“O assunto mais importante será o social commerce. Nós, como consumidores, desejamos saber o que nossos amigos pensam sobre restaurantes, hotéis, carrinhos de bebê, políticos… tudo! Social media torna isso possível. Quem puder se conectar a esses pontos alcançará a grandeza em 2012 e além.”
Erik Qualman, autor dos best sellers Digital Leader e Socialnomics

USO DAS REDES

“O provável tema que será pauta em 2012: ROI em mídias sociais pode ser o grande assunto do ano. É um assunto que já vem sendo muito discutido e pode ter ainda mais destaque com uma possível recessão que o mundo venha a enfrentar, o que levaria há uma grande pressão para que todas as ações de marketing tenham resultados bem claros – e com mídias sociais não seria diferente. O tema de social media que deveria ser pauta em 2012: Como as marcas podem usar mais as mídias sociais para aumentarem suas redes sociais. Depois da enxurrada de Fan Pages com milhares de fãs, campanhas de retweets e etc. Seria extremamente benéfico para as empresas, marcas e profissionais questionarem como podemos usar todo esse conhecimento que tivemos nos últimos anos sobre as plataformas de mídias sociais para socializarmos de fato nossa atuação com os clientes e prospects.”

Diego Monteiro, fundador do Scup e líder da SMC

ENGAJAMENTO

“Como manter a audiência engajada e como gerar audiência engajada? Hoje, todo mundo está correndo atrás de audiência, aumentando sua base através de promoção, ou seja, com ações online e sem ter um pensamento digital. Acredito que o próximo step será a busca por uma audiência qualificada.”

Fabrício Guimarães, Country Internet Manager na Philips do Brasil

SOCIAL CRM

“Acredito que um dos pontos que estará na pauta do ano que vem é o Social CRM. Como a gente sabe, redes sociais são fontes valiosíssimas de informações sobre o comportamento do cliente e seus hábitos de consumo. Imagino que o tema vá amadurecer e surgirão discussões práticas sobre estratégias, métricas, sistemas e ferramentas. A conversa deverá envolver profissionais de várias áreas como, por exemplo, Trade, BI, Atendimento, Marketing e Vendas. O universo a ser explorado é vasto. Vejo que um dos primeiros desafios será a integração das novas plataformas com as ferramentas tradicionais de CRM. Uma pesquisa da Gartner prevê que, em 2012, o Social CRM representará 5% do mercado total de CRM. Ainda é uma parcela pequena mas, em termos de valores, é representativo e pode chegar a US$ 1 bilhão em investimentos.”

Douglas Costa, gestor de redes sociais do Grupo Netshoes



terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Rede Globo estreia Fan Page oficial no Facebook


A TV Globo lançou, nesta segunda-feira (02/01), sua fanpage oficial na rede social. A novidade chega com fotos, informações e vídeos exclusivos para os telespectadores, criando um canal de interação entre a emissora e seus milhões de fãs espalhados pelo Brasil e pelo mundo.

As postagens, até agora, são relacionadas aos novos conteúdos produzidos pela Globo para este início de 2012, como o “Video Game Verão” e “Ilha do Corsário”. No menu lateral, há opções para acessar os sites oficiais dos diversos programas do canal, um link para o perfil da Rede Globo no Twitter (@rede_globo), além de uma mensagem de Feliz Ano Novo para os usuários.

Antes mesmo do fim do primeiro dia da página no ar, ela já se tornou um sucesso. Quase 100 mil pessoas já estão "curtindo" a Rede Globo no Facebook. O primeiro conteúdo exclusivo da fanpage é um vídeo do cantor Roberto Carlos cantando um de seus principais sucessos, a música Emoções, durante a gravação da vinheta de final de ano da empresa.

Fonte: TechTudo