sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Pornografia no Facebook: como resolver a questão?



Por Acácia Lima


O Facebook surgiu com a ideia de manter os amigos em contato e ser, de fato, uma "rede" em que fosse possível encontrar pessoas e assuntos pertinentes ao seu universo. Objetivo atingido com sucesso, a evolução foi começar a ganhar dinheiro com publicidade e tornar-se a maior rede social do planeta. Mas tudo isso tem um preço. O rápido crescimento do Facebook obrigou a rede de Mark Zuckerberg a proteger seus usuários de mensagens ofensivas e garantir que ela não seria mais um meio de divulgação pornográfica.

Com uma política de uso considerada por muitos como rígida demais, o Facebook bloqueia perfis e exclui conteúdos polêmicos através de "robôs", que vasculham a rede atrás de infrações à política do site - como cenas de nudez por exemplo - e também através de informações dos próprios usuários que denunciam conteúdo ofensivo. Em algumas situações, como o caso dos bloqueios dos perfis de mães amamentando e de fotos de pacientes que passaram por mastectomia, o Facebook voltou atrás em sua decisão após intensa repercussão negativa em "respeito ao direito das pessoas em compartilhar conteúdo com importância pessoal".

Agora, uma nova atividade no Facebook promete aquecer ainda mais a discussão sobre "conteúdo ofensivo" nas redes sociais. Trata-se da forte onda de pornografia e cenas violentas que tem tomado conta das timelines dos usuários. Alguns casos chegam a chocar, como o vídeo com pornografia infantil que teve mais de 16 mil compartilhamentos e 4 mil curtidas em março deste ano.